Uzbekistan, the Blue Love <3

 

Tashkent

This story is told by a 34 years old Brazilian lady who always had a thing with the Russian speaking world. My first international crush, the best books I have ever read, the best grades in History at school. Everything connected with this turbulent side of the Globe that I have never had the chance to visit. Despite of living in Asia for 2 years and a half. And it is China precisely where this story begins.

It was back in 2007, in a city called Wuhan, where I met Bobur, a charming Uzbek guy that never gave up of the dance floor at the only disco in this countryside city in China. I was attending a professional assignment when I came across this Cossak way of having fun: endless dances and toasts. Not forgetting to mention the joy and friendly way of being. Just a sample of what was to happen almost a decade later.

  1. Rio 2016 Organising Olympic Committee has me as one member of the International Relations team. Asia was my territory for developing institutional affairs. The International Olympic Committee (IOC) sets the mission for attending a couple of meetings in Uzbekistan. My eyes shined. The former Soviet Union. Bobur’s place. Time to live the dream to listen Russian spoken by locals in the street. I would never imagine that the trip would go further than that. To the point that this is the first time that I try to put in words what I had seen and lived.

The professional calendar starts on Monday. After arranging an hectic journey with several different flights, I managed to arrive on the Saturday before. By hectic, please, understand spending 24 hours in Istanbul as the leg to Tashkent, the capital of Uzbekistan, was canceled as the air traffic was interrupted for the Russian air force to train for an attack against Isis in Syria. When the plane finally lands in Tashkent, the speakers pronounce my complete surname that comprises five long names. Something that only happens when my mother is really angry at me:

–              Ms. Ana Carolina Addobbati Jordão Cavalcanti (Note: Perfect pronunciation). Please, get on board in the van waiting for you on the lane.

As one of the few foreigners in the plane, I was honestly scared. For my surprise, the first of several courtesies I had during my stay. A VIP room for passing through the Immigration.

Immigration sorted out, it is time to take a van in the middle of the night to Samarkand, the Ancient City, the starting point for the Silk route towards China.

The Blue City

 

Samarkand.jpg

These pics were taken using my Iphone. The scenario is so beautiful that any amateur can become a pro photographer

Samarkand is the most beautiful city where I have ever laid my eyes. Blue minarets. Blue domes. Mosques. Mausoleums. Madrassas. A stronger blue than the sky. Under a cold weather of 6o Celsius.  Before the tour starts, a stop for breakfast. The radio plays The Lady In  Red, success of the 80’s. A Landau crosses the street.

Inside the Madrassas – the so called religious schools in the Muslim World, families remain working throughout different generations selling the traditional pottery.  Despite of what the definition says, the madrassas became secular since Lenin arrived during the Soviet Union domination. Being surrounded by those walls of pure blue made me cry. Tears of emotion for what the Human Being can build and preserve. More than this: make use. Sincerely, witnessing locals around was a prove of respect to this heritage and an evidence that will be everlasting. Thanks, God! Or Shall we say Mashallah?

The sun was setting. Time to take the van back to Tashkent.

Samarkand2

Blue tiles. Blue Sky. Blue Love.

 

When in Tashkent, do like the Uzbeks.

 

When Bobur got noticed that I was arriving, in the impossibility of canceling a trip to Hungary, he asked his cousins to show me around. These two gentlemen took me to a car ride at night with a stop in a glamorous restaurant for dinner. Food was generous. Vegetables were big and colorful as I never saw before. Later, I would be explained that most of them are organic as pesticides are too expensive for the local Agriculture. After finishing the meal, we drove back to the hotel – the only place with Wifi I found – across empty streets, large avenues and blocks of building in Soviet architecture.

  • Oh! People sleep early here! – I said after checking 22:00 in my mobile.
  • Now, it is just the curfew. Don’t worry. If the Police stops us, we can manage, replied one of the Bobur’s cousin.

A deep sight and a feeling that should reach home asap!

Tashkent peolpe.jpg

Some of the sweetest people I have ever come accross in life

The ballet and the toasts

IMG_7696.JPG

On the next day, the agenda consisted on visiting the Uzbek Olympic Committee headquarters for an official dinner. Crystal chandeliers decorated the halls of a classic building. The dining hall was organized for the guests to watch the traditional folk dance group performing. Ladies in beautiful, colorful, long dresses and plaits dance as the live music starts. Delicate moves with arms and neck. The band had exotic tambourines that once in a while were flipped in the air in acrobatic movements. An accordion made the music in a dramatic melody at certain moments.

As a Brazilian, I cannot listen to music and stand still. My muscles involuntarily move. The dancers smartly noticed and dragged me to the dance floor. In a glance, the Uzbek guests broke into the dance floor dominating the scene with typical moves of a Cossak. Followed by endless toasting with vodka in a single sip. I felt like at Dr. Jivago’s movie.  A character of Chekov. This scene directed me to the times when I was a teenager and there was no way to Google old pictures for a reference. The imagination relied on the pictures and description from the books. I could finally feel like one of those Soviet ladies drinking vodka surrounded by gentlemen with furry hats.

Para quem@achava que batucada assim só no carnaval de Olinda #uzbekistan

A post shared by Ana Addobbati (@aninhaddobbati) on

Before leaving the hall, a gesture of Usbek hospitality.

  • Please, Ana, make a toast.

Gosh! I only had time to build a quick and swallow speech wishing to Tashkent to host Olympic Games someday.

Actually, I had much more to praise. The smiles of the locals are unforgettable. I had never come across such sweet people. Never afraid of foreigners, regardless not being used to see tourists around. Doubtless, the statues of locals embracing orphans from the War represent this big hearted nation.

Time to go home. With a feeling that I had went through the most fulfilling trip of my life. When my teenager dreams came true.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Blogueira Olímpica, Giros pelo mundo, Sem-categoria

Em tempos de discussão sobre feminismo, veio do Vietnã a minha inspiração olímpica

Hoje foi dia de ter um daqueles flashes de memória, enquanto se está no banco de trás do carro. Lembrei do meu querido comitê do Vietnã. Nesses tempos de discussão sobre feminismo, era Ms. Bich Van que vinha na minha mente como referência na Ásia.

Primeiro, porque ela era a única no meio de todos os homens executivos do Comitê. Segundo, porque se posicionava quando era preciso. Respeitando sua essência. Ela falava baixinho por natureza. Mas, fazia-se ouvir sem levantar o tom de voz. Talvez, ela nem saiba que é feminista. Sei lá.

Vietnan 5

Olha lá ela no meio da mesa diretora. Como na China, o comunismo deixou a herança de ter os dois gêneros trabalhando como algo normal.

Ela chegou para a fatídica DRM (Delegation Registration Meeting – Reunião de Registro das Delegações, quando formalizamos a delegação de cada país antes de autorizar a entrada na Vila) com a pele linda, mesmo após horas de voo. Como a reunião terminou tarde, dormiu no prédio provisório. Poderia entrar apenas com alguns pertencentes. Não abriu mão de levar os cremes faciais. Essas mulheres asiáticas…

Vietna2

Sem cremes de rosto? Nunca! 

Mas, voltando ao que interessa. Ela resolvia tudo. De recepção de Ministro no Aeroporto (dando seu toque feminino com rosas vermelhas para as boas-vindas) a problemas operacionais.

Um belo dia, ela foi ao aeroporto buscar atletas. Voltou estarrecida. O motorista se perdeu e entrou “num lugar onde homens carregavam fuzis”. Não preciso dizer que gelei. Sim, ela passou por uma das favelas do Rio. Por ter sido próximo ao aeroporto do Galeão, suspeito ser a Favela da Maré, nada pacificada. Amém, havia dois voluntários extraordinários com o Vietnã. Um colombiano e um argentino. Os rapazes entenderam o que havia acontecido, não criaram pânico na moça e trataram de selecionar dois motoristas com inglês para ficar de prontidão.

Um belo dia, recebo uma ligação dos responsáveis pelos voluntários. Uma das moças não queria mais ser a assistente do Presidente do Comitê (A grande maioria se hospedava fora da Vila). Ele, um senhor sempre muito simpático, havia dito que ela precisava de um regime. Tentei argumentar que isso é um “quebra-gelo” à asiática. Se ela soubesse as vezes que escutei isso na China…

Não teve jeito.

Lá fui eu dar a notícia a Ms. Bich Van. Encontrei-a recebendo uma boa massagem nas costas. Afinal, ninguém é de ferro.

Com aquele jeito asiático de receber, sentou na sala, serviu-me um chá. Receitou-me Tiger Balm (a cânfora deles) na garganta para melhorar a voz. Eu, constrangida por trazer más notícias. Especialmente, sobre o presidente, figura célebre no País e chefe dela.

A reação?

– Que coisa chata. Como se diz que uma mulher está fora de forma. Bem feito. Vai ficar sem assistente.

Ponto para Ms. Bich Van!

O Vietnã ganhou a primeira medalha de ouro no Tiro. Eram incríveis com os voluntários. Um dia, cheguei e o Chefe de Missão estava comendo paçoca com eles e discutindo se parecia com o doce tradicional deles.

Aliás, café Vietnamita é uma bomba de cafeína deliciosa. É gelado. Uma xícara e você fica ligadão. Juro.

No final, convidaram-me para um almoço divertidíssimo numa Churrascaria. Eu, executivos, voluntários e motoristas. Todo mundo junto para se despedir deles. E foram tão legais que, não foi à toa, o argentino e o colombiano foram bater lá para visita-los e hoje moram na Ásia.

Vietna

Farra merecida após uma campanha de sucesso no Rio 2016

Daquelas propagandas que a gente faz do próprio país e não tem preço.

Aliás, passei a postar em Inglês no Facebook a pedido dela.

– Gostaria de interagir mais com você. Mas, não sei lê Português.

Como não atender a um pedido desses?

Deixe um comentário

Arquivado em Blogueira Olímpica, Sem-categoria

Social Media & The Summer Olympics: Rio 2016 Prepares To Break Records

By Cathy Hackl

Summer is starting to heat up and so is the buzz surrounding the Rio 2016 Olympics. In Brazil, some athletes will be breaking world records during the Summer Games. On the flip side, Rio 2016 is expected to break to break records too. Many are dubbing it the “largest social media event ever.”

According to Global Web Index, 85 percent of viewers are expected to use a second-screen during the Olympics. Out of 3.6 billion global viewers that are expected to watch the Olympic Games on television, 3.06 billion will do so while holding a mobile device in their hands. The use of these devices, which include smartphones and tablets, provides one essential benefit for marketers: an extra dose of impressions, probably billions. There’s a huge potential for engagement with audiences across the globe.

Marketers are not the only ones expected to gain something from these statistics. Organizers of Rio 2016 already have social media accounts with huge numbers of followers on Facebook, Twitter and Instagram with 1.4 million, 293,000 and 163,000 fans, respectively. They also have an engaging Snapchat account, which will be incredibly important during the games, considering Snapchat’s audience and daily video views growth in the last couple of months. In Asia, the organization is also using live video platforms, like Periscope to give users access to special events and using platforms specific to the Asian market.
2016-07-17-1468722197-4743579-rio2016Snapchat.png

Ana Carolina Addobbati, Coordinator of International Relations with Asian National Olympic Committees with RIO 2016, talks about the importance of social media platforms during this year’s Olympic Games:

Q: How important will social media be to Rio 2016?
A: Social media is the key in transmitting Rio 2016’s main message, as a synchronized and sustainable flow of information with different channels of media around the globe. Social media is our main avenue for engaging diverse audiences. What we are visualizing for Rio 2016’s social media includes engagement with all publics, including volunteers, as well as the local crowds and the Brazilian and global media. In order to reach a wider audience, with different backgrounds, some accounts use different languages.

Brazil is also known as the kingdom of Facebook. According to surveys, it is the country with the highest rate of new users entering the platform. Also, Brazilian media use it as a source of information. In order to capitalize on this, while expanding our message to international influencers, Rio 2016 also uses Twitter. There 3 different accounts: Portuguese, Spanish, and English. Each one makes use of third-party endorsements and content, in the form of retweets of links, posts of media sources and Olympic Committees from other countries.

Finally, Instagram is the social media channel used for engaging with the internal public: the Rio 2016 staff, which is a genuine source of endorsement.  There are several efforts to engage with Rio 2016 staff, like push activations, quizzes, and prizes.

Q: Are you using any platforms, in particular, to engage audiences in Asia?A: The Asian audience is particularly special and important for Rio 2016, given the relevance of the event for their local audiences. However, it requires special investments and efforts in order to distribute the message properly. For example, Rio 2016 has

A: The Asian audience is particularly special and important for Rio 2016, given the relevance of the event for their local audiences. However, it requires special investments and efforts in order to distribute the message properly. For example, Rio 2016 has opened a profile at Weibo, a Chinese microblogging website, used by 30% of global web users.
For other Asian audiences, from Singapore, Hong Kong, and Malaysia, there are efforts on other social media accounts in English in order to keep them updated with relevant contents that resonates with them.

Q: Will Rio 2016 use live video on Facebook Live & Periscope?
A: We are already using Facebook Live. Initially, it was used to broadcast part of the daily processes of the organization, as well key facts about Rio 2016 headquarters, but then it also became a key tool for broadcasting and engaging with the audience during the Torch Relay. Periscope is currently being used by the Olympic and Paralympic Brazilian Committees to broadcast events. The intention of Rio 2016 is to mostly use Facebook Live because of its relevance to the Brazilian audience.

The second-screen phenomenon during the Olympics will result in a boost in reach, impressions, and engagement for Rio 2016 and brands that align themselves with the sporting event. Those who only rely on social media to keep updated about the games will also be engaging with one another. This means that the potential for conversation on social media about Rio 2016 is limitless.

Rio 2016 has a huge advantage, as it has been able to build a huge audience prior to the Olympics. The organization is already giving its audience valuable content on Facebook, including a day-by-day account of the Torch Relay, destination information for those traveling to Rio, profiles of participating athletes, videos of inspirational moments, and schedules of the games. On Twitter, they are posting about the #OlympicFlame traveling around the world, but they are also using the platform’s poll tool to see which team people are rooting for in different sports. A great way to get input from the audience and to increase interaction.
Rio 2016 is using social media effectively to build anticipation while creating excitement. People no longer have to be at the stadium to be part of the event. Social media gives them a virtual pass to the games and gives them a chance to not only be fans, but also as referees and commentators. Only the summer will tell if Rio 2016 will bring the heat and break all social media records.

Deixe um comentário

Arquivado em Blogueira Olímpica

Índia – amor e ódio (mais amor) na Vila Olímpica

Sim, eu ainda vivo as lembranças da Olimpíada. Para ser sincera, acho que quase todo mundo tem esses rompantes. As memórias vão vindo e você vai aos poucos colocando suas emoções e juntando os aprendizados.

Essa semana, por exemplo, eu assisti a Pink. Um filme indiano que toca na ferida do machismo no País e aborda isso no seio da classe média esclarecida e das instituições. Ver as personagens andando de tuc-tuc me remonta aos cheiros, às cores da Ásia e o sentimento vem mais forte. É aquela paixão intangível de se explicar. Mas também foi interessante relembrar como foi desafiador lidar com o comitê olímpico de um País tão complexo.

O Comitê tem peso político. Tem dinheiro. Tem cadeira no IOC. Este ano, trouxe a maior delegação da história, incluindo a qualificação do time de hóquei. Foi meu maior comitê. E trabalhoso na mesma proporção. A começar que eles têm a cultura do brasileiro de fazer as coisas no último minuto. Nunca respondiam aos e-mails. E vinham com aquele jeitinho de negociador de mercado resolver. Processo? Que nada. Ninguém seguia. Leia sobre a minha aventura na Índia aqui.

Mas, eu gostava de cada um dali. Tinha Mr. George – a única pessoa do comitê que me respondia. Tadinho. Tinha aquela calma dos yogis para conseguir lidar com tanta bagunça. Tinha Mr. Narayanan, o responsável pela lista dos credenciados. Não falava inglês fluente. Conversar com ele era na base da mímica, do achômetro.

– Ana, preciso do cartão de ônibus.

– Olha aqui o Passe Fácil.

– Não é isso.

Penso….

– Ah! Você quer o identificador do ônibus para entrar na área de segurança (Conhecido no meio como Vapp).

Acrescente a isso um detalhe: no começo, ele sequer olhava para mim, apertava minha mão. Até que eu lembrei a ele:

  1. Só tem eu como coordenadora de relacionamento de vocês. Bom se acostumar com uma mulher.
  2. Melhor se acostumar mais ainda já que vocês estão vindo para o Brasil, onde se fala Português e vocês vão precisar ainda mais da minha ajuda

Nada que um monte de confusão e se vira nos 30 não conecte pessoas diferentes. No final, ele dizia para mim: Minha filha, você vai viver 1000 anos se depender das minhas orações.

Ahhhhh ❤

mr-george

Olha aí o Mr. Narayanan e o Mr. George! Fofos demais.

O Chef de Missão Mr. Gupta já havia me explicado que havia muito conflito interno. Os comitês do mundo todo já tem que lidar com a pressão das Federações nacionais. E a Índia era a prova viva. Em Maio de 2016, durante a nossa Pre-DRM em Bangkok – que durou 5h! – eles não removeram um nomezinho sequer da lista (Entenda que quando chega mais perto dos Jogos, já conseguimos saber um número mais consolidado de atletas qualificáveis. Com isso, chegamos no número quase final de pessoas que cada comitê pode convidar).

– Ana, se eu chego com o nome desse atleta cortado vão achar que estou conspirando contra a Federação.

– Mr. Gupta, here is the deal: A gente faz duas listas. Uma que o senhor leva e mostra. E outra que fica entre nós. Certo? Mas não diga que não está avisado…

pre-drm-bangkok

A minha cara de alegria e das observadoras de Tokyo2020 ao terminar a Pre-DRM em Bangkok.

Chegada a  DRM – A fatídica reunião de registro lá na Vila Olímpica. Surpresa! Ele trouxe a mesma lista. Mais de 9h de reunião! Porque ele tinha que ligar para Deus e o mundo para pedir autorização para cortar gente da lista. No meio disso, virou o fuso. Segue a vida até que o povo acorde e a gente possa terminar a reunião.

Hora de se instalar no QG Índia…

Bem, eu já havia falado aqui que chamavam o prédio da Índia de favela devido ao péssimo estado em que os apartamentos foram entregues. E, claro que Mr. Gupta ficou doido quando viu o quarto dele com dois metros de poeira, sem luz, sem descarga, sem nada.

Eu dei toda prioridade do mundo para eles. Só que os rapazinhos começaram a barganhar coisas extra. É aí que a gente se posiciona e diz de forma educada: Não tira onda, que paciência tem limite.

Conflitos à parte, tinham os voluntários que me ajudaram. Especialmente, João, um ex-executivo internacional aposentado. No dia do reconhecimento dos voluntários à Vila, ele comentou que ficou chateado em ter sido alocado no Chile porque havia morado na Índia e gostaria de ficar com eles. Plim! Seu pedido é uma ordem. Oras! Homem, mais velho – tudo o que eu precisaria para me ajudar numa eventual crise. Lobby interno. João foi para a Índia. Além de tudo, ele era engenheiro. Ajudou a colocar ordem nos pedreiros do consórcio Ilha Pura, que estavam lá para consertar a lambança que fizeram.

E quando político se mete na história…

No meio disso tudo, tinha ainda o ministro dos Esportes que cismava em invadir o campo, a quadra para tirar selfie com os atletas e postar no twitter. Empurrava voluntária, gritava com o time de Protocolo. E sobrava para mim reclamar com Mr. Gupta, que tava nem aí.

– Mr. Gupta, vamos cancelar a credencial dele.

Nem “tchum”.

Aí, a minha gerente mandou e-mail para uma conta que pessoas do governo liam. Com a mesma ameaça. O e-mail vazou para a imprensa indiana. No dia seguinte, coletiva de imprensa com o mundo todo, a pergunta surge:

– Por que o Rio 2016 vai cancelar a credencial do Ministro dos Esportes?

Abre um parêntesis:  A imprensa indiana vivia ligando no meu ramal e jogando verde para tentar descobrir as besteiras que o comitê fazia.  Isso bem antes dos Jogos. Não sabiam que lidavam com uma ex-repórter e que sacava as malandragens. Ah, moleque….

Summer Olympic 2016

O Ministro dos Esportes adorava uma selfie. Até a imprensa descobrir a lambança que ele estava fazendo.

Voltando ao Ministro…

Em 24h, um assessor do governo aterrissou de jatinho e veio pedir que o Rio 2016 se retratasse. Foi uma choradeira. Mas a decisão do IOC foi manter a ameaça de cancelar a credencial. Fim da novela.

E onde entra o machismo …

No meio disso tudo, os voluntários brasileiros vinham se queixar comigo sobre o tratamento dado às atletas. Eu dava uns rasantes surpresa no QG deles para sacar e ver se evitava qualquer coisa, mas em vão.

Houve uma vez em que ligaram da portaria avisando que tinha uma atleta credenciada acompanhada dos pais, estes sem credencial, mas queriam acompanhar a filha. Achei justo e abri uma exceção. O meu querido amigo francês Patrick os acompanhou. O Mr. Gupta simplesmente bateu a porta na cara deles.

Engolimos seco.

Um dia, fui às 10h da noite entregar um celular ao pessoal do Camboja, que estava instalado no mesmo prédio. Entreguei a esse pessoal fofinho, mas ao entrar no elevador, um grupo de indianos. Aquele olhar para mim de: o que uma moça está fazendo aqui a essa hora? Respira fundo. Corpo ereto. E mantra: Não tenho medo, não tenho medo. Depois disso, visitas a esse prédio somente acompanhada.

Em uma outra ocasião, cheguei e peguei um técnico russo contratado pelo comitê com o dedo na cara do voluntário. Fiquei brava e aí quem me conhece sabe. Baixei o dedo dele e avisei que os voluntários só receberiam ordem de Mr. Gupta. Silêncio. Eu penso: “Ferrou, o que Mr. Gupta e os outros vão achar de uma mulher braba?”.

Mr. Gupta: Você está certa, Ana.

Ufa!

Ironicamente, as medalhas que chegaram na bagagem dos indianos foram conquistadas por mulheres. Dorme com uma bronca dessa. Girl power!

Dia de dar tchau e a definitiva pergunta

Bem, a Índia tinha de ser minha última delegação a partir. Só ficou Mr. Gupta para devolver as chaves e pagar qualquer conta.

Antes, precisei passar no prédio do Timor Leste, os amigos da Ásia que falam Português.

– Moça, daqui você vai para o QG da Índia? Que Deus te guie, te proteja. Os anjos estejam com você.

Xiiii….

Deu tudo certo. E com um detalhe. Eu e Mr. Gupta no ônibus:

– Ana, desculpa, eu estava querendo achar um momento para te perguntar. Por que você ainda não casou?

Não, Mr. Gupta não estava interessado em mim. Mas, se ele não fizesse essa pergunta significaria que ele não me respeitava. Indianos e árabes tem o hábito de se incomodar quando uma moça legal não é casada. Tratam logo de pensar em um primo solteiro.

E com isso, foi chegada a hora de fechar o portão e tirar um dia de folga.

Índia inesquecível.

mr-gupta

Tchau, Mr. Gupta! Foi um prazer conhecer mais sobre a Índia através de vocês.

Qual será o próximo Comitê a me dar saudade?

2 Comentários

Arquivado em Blogueira Olímpica

Quando os coreanos pisaram na bola… Ou não. Sobre Amazônia, aceitação e complexo de Vira-lata.

Aproveitando o gancho sobre a mais nova “treta” das redes sociais em 2017 – só digitar #BrasileirosPrecisamDeCerebro e entender o que está rolando entre Brasileiros e Portugueses no Twitter – uma reflexão sobre quem somos, o que temos de diferente e, mais uma vez, discutir a tal Síndrome de Cachorro Vira-Lata.

Chegando a Olimpíada, a BBC, rede de TV inglesa, lançou um vídeo institucional sobre os Jogos Rio2016. Na tela, macacos, crocodilos, bichos-preguiça, onças se passam como atletas dentro de uma floresta e, para encerrar, transformaram-se em atletas admirando o Rio de Janeiro do alto da Floresta da Tijuca, a maior floresta urbana do mundo.

Aos olhos dos gringos, nada demais. O chefe americano até circulou o vídeo entre o time como forma de aquecimento para o que estava por vir. Eu ainda mandei um e-mail pedindo para maneirar. Resposta: Por que os cariocas se incomodariam? A riqueza da natureza carioca está representada inclusive nas nossas mascotes. Ele está certo. Ou não.

No mesmo dia, sentei com cariocas em um encontro social e esse era o tópico da mesa. “Por que os gringos insistem em nos retratar como Tarzãs. Somos mais que isso”. Ele estava certo. Ou não.

Contra fatos, não há argumentos. O Brasil é dono do Pulmão do Mundo, a nossa Amazônia. O Rio de Janeiro é conhecido por reunir montanha, praia, lagoa, tudo junto. De forma simples, como você enxergaria um País com todo esse patrimônio? Pelas indústrias automobilísticas? Pelas Universidades?  É fato. O Brasil pode até já ter sido uma economia pujante e tem seus méritos obviamente. Porém, para o grande público de massa, a natureza é o que resplandece. E, posso aqui adicionar comentário constante dos estrangeiros que visitaram o Rio antes dos Jogos: “A canoagem com esse cenário da Lagoa será algo inesquecível”.

Já na Vila, os Coreanos – tentando ser simpáticos – penduraram faixas com o seguinte trocadilho:

Brazil? Amazon

Korea? Amazing

Brasil? Amazônia

Coreia? Incrível

Ok, pode ter soado bizarro. Porém, partindo de um asiático que não tem inglês como língua nativa e que – ponho minha mão no fogo – não entende nada da polêmica acima, não passou de uma tentativa de ser simpático com o País sede.

Mandaram tirar as faixas porque os brasileiros ficaram magoados.

Claro que os coreanos não entenderam nada. E também ficaram magoados.

coreia

Os coreanos, que vieram vestidos de uniforme anti-zika, até tentaram ser simpáticos. A estratégia de RP deu errado.

 

Eu só acho que a gente precisa se assumir. Aceitar o nosso tempero e encontrar a nossa fórmula de se desenvolver mantendo o nosso patrimônio. Vejam o exemplo do Canadá, que tenta ao máximo inserir as populações indígenas no processo (sei que não é suficiente diante dos massacres que ocorreram). Mas a sustentabilidade está lá no bottom line do desenvolvimento do País.

Vamos parar de ser burlescos. Vejam o que diz Ariano Suassuna. Sejamos miscigenados, moradores de um País abundante em Natureza e nem por isso menor. Especialmente se nos aceitarmos. A verdade liberta. Temos favela, temos mato e estamos tentando achar o nosso caminho. O nosso Papai Noel não precisa ter neve, pode muito bem ser de Praia. A nossa ceia pode muito bem ter tapioca, tacacá e carne de sol.  Já disse Fernando Meirelles, um dos responsáveis criativos da estupenda Cerimônia de Abertura, sobre abordar os nossos desafios sociais ao incluir o tema favela. A audiência não é boba. Não se pode vender o País como o mais desenvolvido dos mundos. Mas ressignificar as nossas riquezas com coragem e beleza

Aliás, já perceberam que tudo que faz sucesso na comida da nossa terra é o que é autenticamente daqui? Sem ingredientes importados?

Fica a reflexão. Feliz 2017!

201608060049007071

Fernando Meirelles: A verdade liberta. O Brasil tem desafios, mas continua lindo quando tenta achar o seu caminho

Deixe um comentário

Arquivado em Blogueira Olímpica, Sem-categoria

A abertura e o dia em que Phelps se enroscou na bandeira

E então chegaria o dia da Abertura da Olimpíada Rio 2016. Reuniões de registro das delegações encerradas em sua maioria. Atletas acomodados na vila – ainda em crise. E aquele frio na barriga. Apesar de estarmos na Vila, nosso time tinha uma função crucial para que tudo desse certo. Da Logística ao Protocolo estávamos envolvidos. Antes, os bastidores.

Não, a Vila ainda não estava perfeita e tinindo. Antes da Cerimônia, ainda estávamos correndo para fazer os apartamentos ficarem minimamente habitáveis. O time de gestão da crise colocou membros do time de Relações com os Comitês Paralímpicos dentro de cada condomínio e escalou gente do time de Credenciamento e de Entradas Esportivas (responsáveis por a checar as qualificações junto a Federações e Rankings). Esse pessoal era os olhos dos nossos líderes e literalmente colocava a mão na massa. Por exemplo, foi quem descobriu câmeras desligadas, instalou canos, chamou pedreiro para consertar parede.

Nesse meio, havia voluntários que conheciam o time da Odebrecht e eram verdadeiros anjos. Dentre os meus clientes, agradeço todos os dias a um ex executivo da Xérox que se voluntariou. Ele estava alocado no Chile, mas pediu para cuidar da Índia, já que havia morado lá. Além de conhecer a cultura, ser homem e mais velho, ainda era Engenheiro de formação. Caiu como uma luva para estar no prédio chamado de favela. Era quem comandava os empregados e terceirizados para colocar a ordem no quarto do chefe de missão indiano. Enquanto isso, as meninas do time de Relações com os Comitês Paralímpicos tentavam criar o mínimo de governança em interface com as áreas do Rio 2016.  Para a gente entender que nesses Jogos, todo mundo fez a diferença ou evitou que o pior acontecesse.

As reuniões de crise continuavam acontecendo. Aos poucos, as reclamações de casos mais graves iam rareando. Amém. Ao ponto de ter momentos engraçados.

SMS do gerente americano:

– Índia reclama que as geladeiras do prédio deles estavam sem Coca-cola. Os atletas foram pegar refrigerante no prédio do Brasil (que era vizinho) e foram barrados. Vai lá e resolve.

Pausa para explicar que o prédio do Brasil estava lindo, organizado, com um time de prontidão para cuidar dos atletas como tinha de ser.

Cheguei para falar com a pessoa que parecia ser a responsável pelo receptivo e recreação.

– Moça, eles foram barrados porque foram pegar guaraná na nossa geladeira patrocinada na beira da piscina. Não foi na geladeira do térreo fornecida pelo Rio 2016.

Ah, malandro! Beber refri gelado na beira da piscina eu também quero.

13g

As reuniões de crise deram espaço para as reuniões de briefing da Cerimônia. A que horas e onde cada delegação deveria se posicionar. Voluntários e nossa equipe os guiariam com uma placa com o nome de cada delegação até mais de 100 ônibus com ar condicionado, condições de acessibilidade e escoltados pela Força Nacional até o Maracanã.

Na volta, haverá saídas mais cedo para atletas que queiram somente desfilar e não ficar para a festa.

Ao contrário de Londres, o Maracanã fica a 50 minutos da Vila usando a Pista Olímpica, exclusiva para os veículos do Rio 2016. Ou seja, comam antes. Terá lanchinho. Mas bem “lanchinho” mesmo.

Parece fácil, né?

Por trás de tudo isso, houve um estudo minucioso e planejado para que não houvesse atrasos. A gente sabe como o Brasil é elástico para horário. Só que a transmissão mundial da Abertura não atrasaria um segundo. 20:00 em ponto.

A líder do projeto era uma grega que já tinha feito sei lá quantos jogos. Viciada nessa parada. Ela montou um esquema de guerra, com mapas, projeções e montou um time com rádios, códigos para ficar na Vila organizando os grupos, embarcando e passando as coordenadas para o time do Maracanã. Tal delegação não pode cruzar com aquela. Muda de ônibus, mas tem que dar um jeito de desembarcar na ordem certa.

Tentaram fazer uma simulação. Adivinha? Faltou luz. Então, até nisso, foi com emoção. A Logística Vila- Maracanã saiu como teoria, sem chance de prática.

Eu fiquei no time que ia organizar a parada dos atletas no Maracanã. Tivemos a chance de reconhecer o local e nossas funções alguns dias antes. E tivemos a chance de ver trechos da abertura. Pulamos como loucos na arquibancada. Só pensava: se não atrasar, se não faltar luz, vai ser lindo. E foi, né? Amém!

No dia mesmo, foi montado um bunker dentro do Maracanã. A grega munida de rádio para se comunicar conosco, sentada ao lado do líder da Força Nacional, Transportes e demais áreas envolvidas. Lembrem que não conhecemos todo mundo que ali trabalhava. Sabíamos que os de vermelho eram da área Médica, os de verde quem estava ligado à operação do Maracanã e havia os outros zilhares de amarelinhos. E dar ordem à gente que você nunca viu exige tato e muita segurança de que sabe o que está acontecendo. Para isso, milhares de reuniões com mapas, simulações de crise. Sem chance de aprender com a mão na massa.

Nos codinomes de guerra, eu era Atleta 6. Fui realocada de última hora para ficar apoiando a chegada dos atletas. Minha função era ser os olhos da rua (Teve protesto Fora Temer rapidamente abafado pela cavalaria) e acelerar o desembarque dos atletas com muito jeitinho. Até porque teve atraso. Nada que ninguém notasse. Mas bem lembrado pelo Chefe de Missão de Singapura (uma celebridade do mundo esportivo asiático com milhares de seguidores. Uma foto nossa teve para lá de Ks de likes): Ana, we are late! Sorry, Mr. Low. Mas a gente vai dar um jeito. E deu.

Os últimos foram os Brasileiros, seguindo logicamente a ordem do desfile. E aí eles tiveram que compensar o atrasinho. Beleza, “tamo em casa”. Eu tive que tanger a turma com muito jeitinho para dentro. Gente, festa lá dentro. Entrem, pelo Amor de Zeus (ou a Grega me mata aqui no rádio).

705c998331dc50734b16536b550ba11f

Time Brasil: Pelo amor, festa lá dentro do Maracanã.

Antes de seguir, mais um fato dos bastidores: a delegação de Israel, ao descer do ônibus, foi saudada como “Coxinha, coxinha” pelos moradores de um dos prédios. E os coitados achando que estavam sendo celebrados. Faltou espírito olímpico. 😦

Bem, todos os atletas dentro do Maracanã. Antes, o time que ficou lá dentro deu um jeito de sacar quem eram os melhores integrantes da Força Nacional para pedir cooperação. Havia pontos de contato com o público e a danação dos voluntários, funcionários pedindo pins. Esse lance foi desvirtuado no Brasil. Por tradição, o atleta dá um pin em agradecimento por serviços que o voluntário faz. Aqui, virou uma caça aos pins que me envergonhou até o fim. Falta de educação, malandragem, seja o que for. Vergonha alheia. Teve até policial pedindo.

Rádio da Grega: Atleta 6, Protocolo precisa de ajuda.

14202487_10153988397258520_8466150509541926864_n

Olha aí o flagra nesta blogueira atuando no Protocolo do Desfile da Abertura da Olimpíada. Sem dúvida inesquecível ❤

É aí a parte mais legal. Leia-se entregar as bandeiras aos porta-bandeiras de cada delegação. Leia-se ficar juntinho com a simpatia do Nadal. Leia-se ficar enroscada na bandeira com o Phelps.

Sim, eu me enrosquei na bandeira com o Phelps. Explico.

A minha função era puxar os porta-bandeiras do meio da delegação, dar a bandeira e garantir que eles iam entrar arrumadinhos dentro do Maracanã na posição certa.

Eis que a delegação do Tio Sam não deixava o coitado do Phelps passar. Literalmente passavam como uma manada de bois e o coitado ficando para trás.

– Phelps, please, vem para a frente.

– I am trying.

Me meto no meio dos atletas para ajudar o coitado. A manada continua passando. E nessa, a gente se enrosca na bandeira e ele cai por cima de mim.

Bem, não é todo dia que um campeão olímpico tem esse grau de intimidade comigo. Mas no final, deu certo. Phelps para a galera, lá na frente já para avisar que iria turbinar o medalheiro do USA com tantas medalhas.

michael-phelps-opening-ceremony-usatsi_9423643

Phelps: campeão, simpático e que, mesmo enrolado na bandeira, não perdeu a esportiva

E, sim, antes que me perguntem: O besuntado de óleo de Tonga é aquilo tudo.

Bem, eu só posso descrever que os atletas ficam em êxtase. Que foi lindo vê-los em roupas tradicionais, em paz e curtindo aquele momento.

pita-taufatofua

O porta-bandeira de Tonga é isso tudo que apareceu na TV

A maior lição dessa abertura que foi o divisor de águas foi ver que quando a escolha é por excelência não tem como errar. Nós tivemos nomes como Deborah Colker, Fernando Meireles, Andrucha Waddington. Um orçamento de um terço do que foi gasto em Beijing. Ou seja, grana curta não é desculpa. Escolhas erradas – empregar o filho do deputado, o amigo da esposa – é o que explica as falhas e o que nos mata de vergonha.

Ainda consegui assistir ao final da Cerimônia. Fui dormir às 4 da manhã para estar pronta para trabalhar às 6h com febre e sem voz. Mas valeu a pena.

Pelo fim do complexo de cachorro vira-lata!

201608060049007071

Deixe um comentário

Arquivado em Blogueira Olímpica

A crise nos dias seguintes

Não teve prefeito Eduardo Paes, não teve promessa de canguru que fizessem os ânimos na Vila se acalmarem. Sabiamente, a liderança do time agendou reuniões de crise. Descrevendo de forma bem concreta: típicas reuniões de condomínio para lavar roupa suja. Foi a melhor decisão a se tomar. Em vez de tratar os problemas de cada delegação como pontuais, sentar e admitir que a crise estava generalizada. Daí tudo ganha novas proporções e as pessoas passam a elencar prioridades. Além de ser a grande chance de usar a ferramenta da empatia, sem dizer nenhuma mentira. Nós estamos aqui para te escutar, nenhum problema é pequeno, mas temos recursos limitados. Vamos combinar o jogo?

Antes uma pergunta: Você faria o mesmo que a Chefe de Missão da Austrália? Reclamaria para a imprensa? Ou deixaria alguém ser boi de piranha e barganharia “a parceria do silêncio” em troca o Comitê correria para resolver os problemas da sua delegação?

eduardo-paes-mostra-canguru-recebido-de-kitty-chiller-chefe-de-missao-da-australia-1469639542851_v2_900x506

Os asiáticos são um caso à parte – com exceção de Singapura (agora com S a pedidos do governo) e da Índia – foi preciso a coisa ficar muito feia para que eles viessem reclamar. Eles são auto-suficientes e não gostam de reclamar. Mas aí é onde mora o perigo. Quando a coisa dá errado, já deu muito errado. É preciso ficar atento ao silêncio. Inclusive quando esse silêncio não quer dizer nada. E-mails sem resposta às vezes é apenas porque eles não tem resposta nenhuma a dizer.

Já Singapura foi claro e direto ao ponto, como os asiáticos mais ocidentalizados que conheço – Minhas prioridades são X por questões de segurança. Água gelada não é problema algum diante do escapamento de gás.

Enquanto isso a Índia colocava a boca no trombone em todas as reuniões. Inclusive para reclamar do que não havia direito a reclamar. Explico-me: Há um ano dos Jogos, publicamos o Dossiê dos Chefes de Missão em que trazíamos detalhes das operações. Quais os carros, quais os serviços, horários, planta da Vila. Ao longo desse ano, o Dossiê foi sendo atualizado até virar o Manual dos Chefes de Missão – em que os detalhes finais dos serviços oferecidos estariam confirmados. Esse material foi distribuído a todas as delegações para que elas se preparassem a tempo e mitigassem ou solucionassem qualquer impacto de um nível de serviço que julgassem insatisfatório às suas necessidades. Acontece que alguns não leem. E aí passam vergonha reclamando do que não se tem direito.

Uma boa lição para mim que adoro aprender as coisas com as mãos no trabalho. Se alguém se deu o trabalho de reunir todas as informações é porque deve ser importante. Manual é para ser lido. Não é mesmo?

E também foi um exercício bem interessante para pressionar as áreas funcionais do Comitê para definir pendências. Já que a descrição do serviço precisava estar escrita e impressa, eles precisam pensar e bater o martelo sem deixar para o último minuto. E aí teve gente que estrilou porque estava acostumado ao velho jeitinho no último minuto, teve gente que ignorou por não ver valor nesse material e teve gente que achou isso uma ótima oportunidade para aprender a atuar com planejamento.

Cada um faz dos limões a limonada que prefere.

E se tem um legado intangível que fica dos Jogos é exatamente o aprendizado com o choque de culturas entre “o último minuto” e o “bem pensado”. Mas isso é assunto para um outro post. Bom domingo!

 

Deixe um comentário

Arquivado em Blogueira Olímpica